Papa diz que gays não devem ser julgados e “porta está fechada” para ordenação de mulheres

Em conversa com jornalistas a bordo do avião que o levou de volta do Brasil para Roma na noite de domingo (28), o papa Francisco afirmou que os gays não devem ser julgados ou marginalizados, e que devem ser integrados à sociedade. Ele ainda se manifestou a favor de um maior papel das mulheres dentro da Igreja, mas rejeitou sua ordenação como sacerdotisas.

“Não se pode imaginar uma Igreja sem mulheres ativas”, disse o papa, depois de lembrar que a entidade já se pronunciou contra esta opção. “Esta porta está fechada.” Foi a primeira vez que Francisco falou publicamente sobre o tema. “Não podemos limitar o papel das mulheres na Igreja ao de coroinha ou de presidente de uma entidade beneficente, deve haver mais”, disse, respondendo a uma pergunta durante uma conversa notavelmente franca com os jornalistas.

A Igreja Católica prega que não pode ordenar mulheres porque Jesus escolheu apenas homens como apóstolos. Defensores do sacerdócio feminino dizem que Jesus agiu de acordo com os costumes de seu tempo. Muitos dentro da Igreja, mesmo aqueles que se opõem à ordenação de mulheres, dizem que elas devem ter papéis de liderança tanto na Igreja como na administração do Vaticano.

Ciática

O papa Francisco contou que sofreu com uma ciática em seu primeiro mês de pontificado, devido à má postura, e disse que está bem no Vaticano, mas que em alguns momentos se sente “enjaulado”. Ele foi questionado sobre qual foi o melhor e o pior momento em seus quatro meses de pontificado. O papa respondeu que viveu muitos momentos bons, e que os piores foram quando viajou à ilha italiana de Lampedusa para se reunir com imigrantes ilegais.

“É de chorar, quando chegam essas barcas e os deixam a algumas milhas do litoral, e depois eles devem sozinhos chegar com a balsa. Senti dor ao ver essas pessoas que são vítimas do sistema socioeconômico mundial”, afirmou. E acrescentou: “A pior coisa, no âmbito pessoal, foi uma ciática que tive no primeiro mês do pontificado”.

Francisco disse que, nos últimos meses, encontrou muitas pessoas boas no Vaticano e que isso lhe traz alegria. “Quantas vezes tive vontade de sair pelas ruas de Roma, eu gosto de estar na rua e nesse contexto me sinto um pouco enjaulado. Em Buenos Aires todos me conheciam como o padre andarilho”, afirmou.

Perguntado sobre por que prefere ser chamado de bispo de Roma ao invés de papa, Francisco respondeu que é o bispo de Roma e, como tal, sucessor de Pedro e vigário de Cristo. Também disse que o trabalho de bispo é lindo e que se sente muito feliz como papa.

Bento 16

O papa contou que tem “muito carinho” pelo papa emérito Bento 16, quem ele definiu como “um grande homem”. “Há algo que qualifica a minha relação com o papa Bento 16. Eu tenho muito carinho por ele”, disse o pontífice. “Fiquei tão feliz quando ele foi eleito e, quando renunciou, pensei que este era um exemplo, atitude que mostra como ele é grande, como é um homem de Deus, um homem de orações.”

Questionado sobre como é liderar a Igreja Católica tendo por perto seu antecessor, Francisco disse considerar Bento 16 “um avô, um pai”. “Agora que ele vive no Vaticano, é como ter um avô em casa. O avô sábio, venerado, amado. É como um pai, alguém que, se tenho uma dificuldade, se não entendo algo, posso ir falar com ele”, contou o pontífice, ressaltando que sempre o convida para cerimônias e atividades, mas que o papa emérito prefere “não se misturar”. Bento 16, 86, renunciou em fevereiro de 2013, alegando problemas de saúde e dificuldades para cumprir as exigências do cargo.

Lobby gay

Francisco defendeu os gays contra a discriminação, mas também fez referência ao catecismo universal da Igreja Católica, que diz que a orientação homossexual não é pecado, mas os atos homossexuais, sim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top