O futuro da NF-e: O que vem depois da versão 4.0

Posted on

 

Completamos um pouco mais de um mês da virada da NFe 4.0 que aconteceu em Agosto de 2018. Muitas empresas pensam que agora é só priorizar as atividades que atendem ao negócio de seus clientes. Ou então as atividades que os diferenciam dos concorrentes, podendo esquecer das mudanças legais. Mas a realidade é outra.

Há uma grande quantidade de alterações nos projetos dos Documentos Fiscais vindo nos próximos semestres e o impacto promete ser tão expressivo quanto o da migração de versão.

Grupo de Trabalho decide o futuro do projeto NFe

O Fisco não para e sempre tenta melhorar a fiscalização e diminuir a possibilidade de sonegação dos contribuintes. Com isso o projeto NFe conta com muitas evoluções para continuar cumprindo o seu propósito.

Existe um grupo de trabalho que se reúne trimestralmente para definir os rumos dos projetos de Documentos Fiscais. Este grupo é formado por empresas emissoras de DFe, Software Houses e os líderes técnicos das Secretarias da Fazenda estaduais.

Seu objetivo é discutir as necessidades dos projetos, sejam elas pelo aspecto legal, de negócio ou tecnológico. Os líderes técnicos indicam o que o Fisco tem planejado para o futuro de cada projeto e as empresas e Software Houses podem pleitear alterações e sugestões neste planejamento.

Principais alterações para os próximos meses

A previsão do projeto NFe é que sejam lançadas pelo menos 2 novas Notas Técnicas por ano. Normalmente essa divulgação será feita nos meses de Abril e Setembro.

Para os próximos meses, o Fisco já sinalizou as principais alterações relativas à evolução do projeto na última reunião do grupo de trabalho. São elas:

  1. Identificação da Empresa Desenvolvedora do Sistema;
  2. Cancelamento por Substituição da NFCe;
  3. Implementação de série específica para contingência da NFCe;
  4. Validação do GTIN de acordo com CNAE e NCM;
  5. Tratativas para evitar o Consumo Indevido;
  6. Definição do ICMS Efetivo (novo campo da NFe 4.0);
  7. dentre outras.

Evolução do ERP/PDV seguindo a legislação

Fizemos uma pesquisa com empresas de tecnologia e identificamos que entre 60 e 70% do desenvolvimento e evolução dos softwares de ERP/PDV estão alocados para manter o faturamento funcionando. Isto é, para cumprir as Notas Técnicas e obrigações fiscais relativos aos Documentos Fiscais.

Isso mostra que a empresa tem apenas de 30% a 40% do seu tempo para atender as demandas de negócios dos seus clientes, evoluir a solução e ainda inovar (algo que mantém seu cliente fiel a sua solução).

Na última virada da NFe 3.10 para NFe 4.0, gastamos aqui na Oobj cerca de 800 horas de desenvolvimento para atender à todas as novas exigências para a versão. Esse número não leva em consideração as mudanças de versão de MDFe e CTe que ocorreram em 2017 e demandou 60% do que foi gasto com a NFe 4.0.

Fonte: http://www.oobj.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top